Triângulo Emocional

Como controlamos as nossas emoções? É possível escolher o que sentimos? O que podemos fazer para sentir mais o que queremos sentir?

Tenho boas e excelentes noticias para quem já me fez estas perguntas...
As boas é que SIM é possível controlarmos o que sentimos, sendo um processo super interessante e que necessita de prática constante.
A excelente noticia é que hoje vou mostrar um dos métodos que mais rápido agiliza este processo!!!

O Triângulo Emocional foi-me apresentado pela primeira vez pelo Anthony Robbins e mostra-nos que as emoções vem do significado que damos ao que está a acontecer, e que 3 factores contribuem para a atribuição do mesmo às diferentes situações.

Antes de mais, imaginem uma situação muito simples:
Combinaram um café com um amigo e passado uma hora, ele nem aparece, nem disse nada. Como se sentem? Porquê? Que significado atribuem a esta falta do vosso amigo? Existe alguém no mundo que atribuísse um significado diferente à mesma situação? Existe algum significado que possa fazer com que tenham emoções boas (ou pelo menos melhores) na mesma situação?

devem ter descoberto que sim... Quantas vezes Já passamos por tantas situações em que escolhemos um significado que nos fez sentir mal, só para descobrir algo que o transforma e nos faz sentir bem... naturalmente quando deparados com uma situação já nem "pensamos" só sentimos, sendo que o que se pretende com este método é de facto mudar essa programação inconsciente, esse simplesmente sentir!
Somos de facto nós que escolhemos o que cada facto que acontece na nossa vida quer dizer, por isso está ao nosso alcance mudá-lo... Sendo que as emoções que vivenciamos durante o dia são o principal facto que determina a qualidade da nossa vida, parece-me no mínimo interessante perceber mais sobre como sentir o que de facto queremos sentir! E vocês? :)

E então quais o 3 vértices do triângulo emocional que nos ajudam nesta alteração?
FISIOLOGIA - FOCUS - LINGUAGEM

Estes são as 3 características que no final determinam as nossas emoções e hoje vamos tratar da LINGUAGEM. (nos próximos posts veremos os outros dois)

As palavras que utilizamos estão guardadas no nosso cérebro com uma serie de ligações associadas, como cheiros, sons, imagens, sentimentos, etc...
Por exemplo, se disser mesa, o meu cérebro imediatamente vai buscar uma imagem de uma mesa, se disser bolo de chocolate, ele traz-me a imagem e o sabor associado, podendo chegar sentir o cheiro do bolo acabado de fazer quando a minha mãe o punha a arrefecer...
E se disser problema? Qual o sentimento que o cérebro me transmite? É igual a se disser festa? supresa? morte? nascimento?
Cada uma dessas palavras tem um sentimento e com isso vem uma serie (ou falta) de recursos associados.

O sentimento que vem com ter um "problema" para a maioria das pessoas é desagradável e leva para um "estado" de impotência e poucos recursos... "estou com um problema!" é uma frase que cerebralmente não está ligada a soluções e recursos!

E se em vez de problemas tivermos desafios? Situações inesperadas que vão necessitar de soluções diferentes das que costumamos usar! Desafios!! Esta palavra leva-nos para uma nova emoção e sensação de que é possível e que vamos encontrar a solução... verdade ou verdade?

Aqui vai um pequeno "dicionário de sinónimos poderosos" para algumas das palavras que utilizamos:

Problema = DESAFIO
Doença = LIMPEZA (a doença é a forma do nosso corpo expulsar coisas que não interessam)
Chateado = Em PROCESSO (estar chateado é apenas um momento de um processo para ficarmos bem)
Cansado = A RECUPERAR (Já sabemos que quando estamos cansados a nossa energia vai subir, logo estamos a recuperar)
Complicado = COMPLEXO (algo que demora mais tempo a atingir, ou a descobrir a resposta)

Deixo o desafio de apresentar outras palavras nos comentários que prometo dar resposta a todas!

No ínicio, naturalmente, isto vai parecer uma mentira que estamos a contar a nós próprios, ao mudar assim as palavras, por isso é que, tal como em quase tudo que tem sucesso, o segredo reside na prática constante e consistente.

E isto é apenas uma parte da equação, que tem mudado a qualidade da vida de muitos...

2 comentários:

Mónica disse...

Gostei especialmente da troca da palavra "problemas" por desafios. De facto, com pequenos e subtis pormenores conseguimos mudar as nossas perspectivas e, consequentemente as nossas atitudes e reacções. Não falo por falar, mas sim porque muitas das coisas que vais aqui descrevendo já não me são totalmente estranhas. Começo a interiorizá-las e não digo que a minha vida tenha deixado de ser complexa e cheia de desafios, mas é uma vida que consigo compreender melhor para aproveitá-la ainda mais. Porque, quanto a mim, a verdadeira mudança, a interior, é a mais delicada (=difícil) de se atingir.
Passinhos pequeninos :)

Ricardo Peixe disse...

Como coach e formador (e principalmente como ser humano) ha poucas coisas que me dêem mais satisfação do que ver alguém trabsformar a sua vida da forma que o tens feito!
Muito obrigado por me deixares partilhar isso...

Beijinhos